sábado, 16 de julho de 2011

Casa de Cultura para Surdos

Os surdos do Oriente Médio precisam receber as boas novas de Jesus



Os árabes acreditam que a surdez é uma maldição divina. Assim, os surdos no Oriente Médio vivem em completo desprezo no contexto familiar e social. Eles são excluídos da sociedade, não têm acesso à educação, formação profissional, artes, etc. Não têm influência social e são pobres, vivendo debaixo de muita rigidez. Há países onde, para cada 1.000 pessoas nascidas, cinco são surdas. A população de surdos é maior do que a população de cristãos.

A Casa de Cultura para Surdos é um local de encontro para a comunidade surda e procura cumprir o papel de uma grande família, ensinando os surdos a se relacionarem de maneira mais saudável em sociedade. São pessoas nascidas na Arábia Saudita, Emirados Árabes, Kewait, Palestina, Jordânia e de outros países. A grande maioria (98%) é mulçumana.

Inaugurada em abril de 2006, a Casa de Cultura para Surdos é frequentada, semanalmente, por cerca 40 surdos e tem uma rede de influência com 70 registrados. Nela são oferecidos: estudo bíblicos; aulas de sinais; aconselhamento; cursos de inglês, culinária e de teatro; trabalhos manuais; serviços de interpretação e palestras diversas. É necessário buscar os surdos em suas casas, para participarem dos cultos; os pais, principalmente de meninas, não permitem que elas andem sozinhas ou utilizem táxi. Isso tem sido uma dificuldade para a família missionária que, ás vezes, usa a Van emprestada para buscá-las.

Para que outros surdos conheçam ao Senhor Jesus como Salvador, os encontros serão realizados em outros locais do Oriente Médio. Na região não há interprétes da língua de sinais nas igrejas e os surdos estão completamente afastados desse ambiente. Há um número pequeno de surdos cristãos e a maioria deles imigra para outros lugares, como Estados Unidos ou Europa. Esse hábito dificulta o trabalho dos missionários.

A Casa de Cultura para Surdos deseja ver seus membros crescendo em termos sociais, mentais e educacionais, sendo capazes de se expressar na língua de sinais como um canal natural de comunicação entre eles. Pois, o melhor comunicador do Evangelho, para um surdo, é o próprio surdo. Por isso, a Casa de Cultura investe em evangelização, discipulado, treinamento e capacitação missionária de seus frequentadores.

Objetivos do Projeto
- Treinar e oferecer oportunidades aos surdos locais para trabalharem como guias turísticos de surdos e seus acompanhantes.
- Proporcionar a pesquisa e a documentação da Língua de Sinais local, especialmente para termos históricos, nomes e lugares bíblicos hoje existentes.
- Viabilizar o entendimento, a interação e a cooperação entre os surdos, oferecendo atividades educacionais, artísticas e espirituais.

Necessidades do Projeto;
- Pessoas para o trabalho. Atualmente eles contam com 6 pessoas, mas ainda precisam de 25 pessoas no estafe.
- Estabelecer uma grande rede de intercessores.
- Espaço físico - o atual é muito limitado - há necessidade de uma propriedade para abrigar pelo menos 200 surdos por semana.
- Equipamento de informática.
- Veículo próprio para o transporte dos surdos. De prefência uma Van, de nove lugares, que pode ser comprada com isenção de impostos.

Como você pode ajudar:
- Se apresentar como voluntário para trabalhar no projeto;
- Adotando o projeto em oração e financeiramente;
- Enviando equipamento de informática para a Casa de Cultura;
- Ajudar na compra do veículo para o projeto.



Se você deseja participar desse projeto,
ou ligue para a JMM
(21) 2122-1901 (de cidades com DDD 21) e
0800 709 1900 (das demais localidades)






Nenhum comentário: