sexta-feira, 11 de março de 2011

PLANO COOPERATIVO

O que é o Plano Cooperativo?

EU SOU O PLANO COOPERATIVO
  • Sou fruto da união das igrejas batistas no esforço comum de alcançar o ser humano como um todo.
  • Sou expressão da mordomia de cada crente, como reconhecimento da sabedoria de Deus em sua vida e conseqüência, acima de tudo, de um compromisso com o Senhor e o seu Reino.
  • Sou bíblico em meu objetivo e bíblico em meus métodos.
  • Sou resultado da fidelidade de crentes, igrejas e juntas estaduais/regionais que, com toda a liberdade, decidem empregar uma parte dos recursos à sua disposição, para que a obra de Deus cresça mais equilibradamente no Brasil e no mundo.
Mas...

Eu também sou DINHEIRO
  • Eu sou seus dízimos e ofertas entregues de coração, fruto de uma vida dedicada.
  • Sou o dinheiro muitas vezes escasso da venda de mandioca, de milho, de hortaliças: dinheiro de trabalho pesado numa construção.
  • Dinheiro do povo trabalhador deste grande país.
  • Eu venho de farmácias e postos de gasolina.
  • Eu venho de renda de capitais, apólices e dinheiro economizado.
  • Eu venho de salários de aposentados.
  • Eu venho das economias de donas de casas fiéis.
  • Eu venho de lucros de grandes e pequenas indústrias, comerciantes e profissionais liberais
  • Eu sou dinheiro consagrado.
  • Eu pertenço a Deus e sou parte da grande esperança de ver sua vontade executada na terra.
  • Quando me uno, formo milhares de reais.
  • Sim. Eu sou DINHEIRO, dinheiro sagrado, dado livremente por gente livre, para a cousa mais sagrada do mundo
Mas, eu sou mais do que dinheiro.

Eu sou GENTE
  • Eu sou missionários nos estados, por todo o Brasil e pelo mundo, lutando no calor do Nordeste, na vastidão da floresta Amazônica, em meio a problemas sociais e políticos de outros países, entre povos de outras línguas e culturas, em meio ao crescimento das grandes cidades, nas tribos indígenas, no sertão por país e além-mar, ensinando ao nosso povo e aos de todos os climas e raças o evangelho de Cristo.
  • Sou jovens aprendendo e contagiando outros com sua alegria e dinamismo. Sou homens que atuam nas diversas atividades das igrejas. Sou mulheres fiéis, dedicadas e ativas a serviço do Rei, dentro dos templos, lares e comunidades.
  • Sim, eu sou GENTE. Sou testemunha de Cristo, dando nova esperança ao frustrado, colocando um hino nos lábios dos angustiados, mostrando às crianças um caminho seguro, repartindo a alegria e a fé com os que estão sem Deus e sem salvação
Além disso,

Eu sou TRABALHO
  • Trabalho duro. Trabalho paciente, por anos a fio, muitas vezes no anonimato, sem resultados aparentes. Eu sou alegria de ver igrejas nascendo fortes, atuantes e missionárias, nos caminhos da Pátria e do mundo, com crentes que amam e cultuam a Deus.
  • Eu sou pastores e evangelistas, pregando noite e dia entra mês, sai mês, nunca cessando seu apelo à humildade perdida, ensinando, pregando, assistindo e aconselhando.
  • Eu sou o esforço de produtores e técnicos das comunicações audiovisuais, preparando programas inspirados e doutrinados para estações de rádios e televisão, videocassetes, bem como orientação e assessoria a entidades irmãs.
  • Eu sou um professor, dia após dia, semana após semana, ensinando jovens vocacionados a entenderem melhor as Escrituras Sagradas, a administrar a igreja, a evangelizar, a discipular os crentes, a educá-los cristamente, a interpretar a mensagem de Deus para o mundo hoje.
  • Eu sou o redator das revistas e jornais da Denominação, escrevendo artigos e estudos informativos e desafiadores para crianças, jovens e adultos de igrejas grandes e pequenas, das cidades, das vilas e do sertão.
  • Eu sou o empenho de muitos crentes procurando dar aos missionários idosos uma aposentadoria que lhes garanta o sustento, depois de tantos anos dedicados à evangelização e ao ministério pastoral.
  • Eu sou os batistas ao redor do mundo, dando suas mãos em testemunho a todos os povos.
  • Eu sou a coordenação e planejamento, procurando usar com sabedoria os recursos que criam condições para uma ação de amor e esperança em nossa terra.
  • Quem me despreza ou me ignora, despreza e ignora o momento sagrado em que um grande povo, chamado batista, vai ao encontro da humanidade perdida, dilacerada, desfeita e necessitada.
Mas isso não é tudo...

Eu sou VOCÊ
  • Sou você através da sua igreja e da junta de seu estado.
  • Sou você dando de si mesmo ao mundo através de sua participação.
  • Sim. Eu sou VOCÊ, sua voz, tentando mostrar que o mundo não está sendo controlado pelo poder das trevas. O mundo tem um propósito e uma ordem moral.
  • Eu sou você trabalhando em toda parte e em todo tempo, para provar que Jesus Cristo reina.
  • Eu sou a canção gloriosa em seus lábios, proclamando: A SOLUÇÃO É JESUS CRISTO.
  • Eu sou uma grande expressão de conquista para unidade e crescimento da Convenção Batista Brasileira.
  • Sim. Eu sou o Plano Cooperativo


Quando a CBB - Convenção Batista Brasileira - criou em 1959 o Plano Cooperativo, ela o fez para organizar a vida financeira da denominação. Visto que não havia qualquer sistema de sustento nacional, tudo era na base da oferta e do subsídio da Junta de Richmond. Havia o caos financeiro. Dependência total de todos os campos, exceto o antigo Distrito Federal (hoje Convenção Carioca).

A divisão do Plano Cooperativo era de 50% para a CBB e 50% para os Campos Estaduais.

Hoje, a obra batista brasileira é sustentada por recursos nacionais e os Campos Estaduais ganharam força, independência financeira com a criação do Plano Cooperativo.

O Plano Cooperativo só não é melhor por causa da infidelidade dos crentes na entrega dos dízimos e da infidelidade das igrejas na entrega da parcela mínima de 10% de suas receitas para o sustento denominacional e a infidelidade de muitos Campos Estaduais na manutenção de um percentual que não deveria ser menor que 30%.

Cooperação é uma via de duas mãos. Quem pensa que encurtando ou cortando uma das mãos vai ganhar está completamente errado. Os estados que tem diminuído o Plano Cooperativo continuam com os mesmos problemas e talvez até com outros maiores, visto que perdem condições éticas e espirituais de solicitar maior participação, visto estar praticando o corte da cooperação.

O caminho não é o corte da cooperação, e sim, o trabalho difícil, persistente e muitas vezes penoso, de conseguir mais cooperação tanto dos crentes com suas igrejas, via campanhas de Mordomia Cristã, como das igrejas com a entrega do Plano Cooperativo Estadual.

É o Plano Cooperativo que sustenta grande parte da obra de Missões, de Educação Teológica, e no caso do Conselho de Planejamento e Coordenação da CBB, integralmente, participando ainda do sustento da UFMBB, UMMBB, JUMOC entre outros, conforme pode ser visto no texto: “Eu sou o Plano Cooperativo”.

Não adianta dizer que outras denominações estão fazendo mais do que nós: tem programa de televisão, rádio, etc. e cortar cooperação.

A Convenção Estadual, ou igreja, ou crente que diminui sua cooperação perde a força moral e espiritual de cobrar cooperação de outros.

Finalmente, lembro que, o Plano Cooperativo é primeiramente um compromisso das igrejas filiadas a CBB com ela, e só depois, é que é com as convenções estaduais e associações, visto que quem criou, votou e pediu a cooperação das igrejas foi a CBB como já disse em 1959, e a partir daí, tem alimentado ampla Campanha em prol do referido plano, criado inclusive o dia do Plano Cooperativo: 4º domingo de Outubro, em 1998, dia 24 do referido mês.

Diminuir o Plano Cooperativo é diminuir a força da cooperação.

Creio amado irmão, que aí está de forma nacional e bíblica a questão para um povo de quem o apóstolo Paulo diz: “porque nós somos cooperadores de Deus. Vós sois lavoura de Deus” (I Coríntios 3:9).

Fonte: Convenção Batista Paranaense





Um comentário:

Anônimo disse...

olá tudo bem? amei seu trabalho fici feliz quando vejo pessoas envolvidas com o trabalho missionário, siga nesse caminho encentivando outras pessoas. paz seguindo seu blog