quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

ENSINA-NOS A ORAR

Pastoral, em 08/01/2009

Um discípulo se aproxima de Jesus e solicita que ele o ensine a orar. Tal solicitação deveria ser reprisada por nós hoje, pois sempre haverá alguma coisa por aprender no tocante a oração e ao orar.

Por exemplo, precisamos entender que ao orarmos, o Senhor está mais interessado no relacionamento, nas disposições mentais que nas palavras. Orar é colocar aquilo que chamo de “eu profundo e invisível” diante de Deus. Tal qual um paciente que quebra seus mecanismos de defesa e abre o coração diante do terapeuta, assim devemos agir diante de Deus ao orarmos. Tal disposição interior faz bem para quem ora por maior que seja a nossa correta crença de que Deus conhece todas as coisas. Deus quer que ao orarmos coloquemos diante dele as nossas dúvidas, incredulidades, pecados que aos olhos dos outros são ocultos, etc. Ao fazermos isso estamos no caminho certo do aprendizado de como orar.
 
Junto a isto, devemos saber que orar é estabelecer vínculos profundos com Deus. Daí, a necessidade de saber quem é Deus verdadeiramente. Henri Nouwen escreveu: “Orar é caminhar na plena luz de Deus e dizer simplesmente, sem restrições: Eu sou humano e tu és Deus. Neste momento ocorre a conversa, a restauração do verdadeiro relacionamento. O ser humano não é alguém que , de vez em quando, comete um erro, e Deus não é alguém que, de vez em quando, perdoa. Não, os seres humanos são pecadores, e Deus é amor”.
 
Por fim, aprender a orar é saber quem é quem no processo de oração. Como venho dizendo, orar é manter um relacionamento aberto e franco com o Senhor, no qual cada um tem total liberdade de exercer o seu papel. Philip Yancey, no livro Oração; ela faz alguma diferença? (p.44), diz que um dos maiores exemplos de humildade e, acrescento, reconhecimento de papéis na oração, é quando eu chego à seguinte conclusão: quando oro eu sei que existe um Deus, e este Deus não sou eu. Portanto, assumamos nosso papel e deixemos que Deus assuma o dele. Aprendamos a orar e nos exercitemos nela. Os resultados serão indizíveis.
 
Seu amigo pastor David Baeta.
 
 
 
 
 

Nenhum comentário: