domingo, 21 de novembro de 2010

STBNB - Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil


108 anos do STBNB: abordagem histórica e desafios do mais antigo seminário batista brasileiro (*Zaqueu Moreira de Oliveira) .

Introdução
O Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil (STBNB) é assim chamado por ser o Brasil, na ocasião de sua fundação, dividido apenas em duas regiões, Norte e Sul. Ele foi criado e continua atuando na cidade do Recife, Pernambuco, portanto, no Nordeste. Foi o primeiro seminário batista da América Latina, sendo também pioneiro entre os evangélicos em diversas áreas do saber teológico.

1. Fundação e dificuldades
O STBNB nasceu como resultado da visão do judeu-russo Salomão Luís Ginsburg, missionário vinculado à Junta de Richmond, nos Estados Unidos . Quando Ginsburg foi transferido do Estado do Rio de Janeiro para Pernambuco, em 1900, recebeu a incumbência de continuar uma classe teológica, com quatro moços, iniciada em 1899 por W. E. Entzminger. Aceitou o desafio, olhando para frente e desejando muito mais: um seminário. Foi a sua visão que o levou a escrever, ainda em 1899, que o salário de um missionário norte-americano daria para sustentar dois ou três pastores “nativos”, e com vantagem, porque eles falavam bem a língua e conheciam os costumes do povo, facilitando o relacionamento e a comunicação . Mais tarde, em 1901, Ginsburg argumenta que o Brasil batista deveria ser dirigido por brasileiros e não estrangeiros: “Irmãos, se o Brasil deve ser convertido, será com a participação ativa dos brasileiros. Portanto, permita-nos preparar homens, assim que em um futuro próximo eles possam ser capazes de tomar os nossos lugares” .

Assim, Ginsburg terminou por dirigir a cerimônia de instalação do primeiro seminário batista no Brasil, a 1º de abril de 1902, cuja ata, escrita por Emílio Kerr, foi publicada em O Jornal Baptista ainda em abril do mesmo ano. O objetivo da nova instituição foi expresso por ocasião de sua fundação, quando o primeiro diretor, Jefté Hamilton, disse: “O Seminário não faz ministros, pois é Deus quem chama. [...] É muito honroso e louvável ser pregador do evangelho; mais do que ser um grande político ou presidente da República” .

As dificuldades enfrentadas pelos que criaram o Seminário do Norte não foram poucas. Logo de início outros missionários no Brasil conseguiram o referendo dos Batistas do Sul dos Estados Unidos para que existisse apenas um seminário no país, e este fosse no Rio de Janeiro. Essa idéia foi aprovada na primeira assembléia da Convenção Batista Brasileira, em 1907, que resolveu fundar o Colégio e o Seminário do Rio, conforme ocorreu em 1908. Com isso, as verbas de Richmond minguaram, mas o Seminário em Recife nunca deixou de existir, graças à tenacidade de Ginsburg, auxiliado por homens como D. L. Hamilton, H. H. Muirhead e W. C. Taylor, que terminaram por levar a CBB, em 1918, a receber o STBNB como uma de suas entidades.

Outro grande problema enfrentado pelo Seminário em Recife foi o choque entre brasileiros e americanos, no chamado Movimento Radical. No auge da crise, em 1923, houve o êxodo de quase todos os alunos do Seminário, ficando apenas dois. Crise semelhante ocorreu em 1940, caindo o número de alunos para 8 em 1941. Novos problemas com motivos diferentes surgiram em 1985 e 1990. As dificuldades ocorridas entre 1939 e 1941 terminaram quando o missionário João Mein, em 1942, assumiu a direção da instituição.

2. Dos Meins aos nossos dias
João Mein dirigiu o STBNB até o ano do cinqüentenário, em 1952, sendo substituído em 1953 por seu filho, David Mein. Nos 32 anos de sua administração, David Mein ampliou a área física e criou, em 1960, os cursos de Educação Religiosa e de Música Sacra. O Seminário do Norte, que havia formado os primeiros Mestres ainda em 1918 e uma vintena de outros na década de 1930, voltou a oferecer Mestrado em Teologia em 1970 (Atualmente o STBNB não está oferecendo o Mestrado em virtude de Portaria do MEC). Também, sob a direção de David Mein, o Seminário se tornou a primeira instituição a ter os Curso Livre em Teologia reconhecido pela Associação de Seminários Teológicos Evangélicos (ASTE), e se tornou de Utilidade Pública nas esferas estadual e municipal. Depois de David Mein, o Seminário do Norte teve seis reitores efetivos, sendo dois norte-americanos quatro brasileiros .

A partir de 1991, o Seminário tem sido administrado continuamente por brasileiros, sendo Dr. Roberto Schuler o quarto desde então. Neste período, houve também problemas, sendo o maior deles relacionado com a transição do sustento, que vinha da Junta de Richmond, para a independência financeira. Desde 1997, só contamos com verbas do Brasil, em sua maioria provenientes de taxas pagas pelos alunos. Ainda hoje não foi desenvolvida a consciência da necessidade que os alunos têm de receber ajuda de suas igrejas. Contudo, o STBNB prossegue vitorioso em sua jornada, vivendo os dias presentes e enfrentando os muitos desafios deste novo século. Mesmo com a escassez de verbas, em 1997 foi criada a STBNB Edições, que hoje tem 27 títulos publicados, incluindo alguns já em segunda edição e nove números do novo Caderno Teológico, Reflexão e Fé.

Conclusão
Nos 108 anos do STBNB, cerca de 2.600 alunos receberam diplomas em nível de graduação e pós-graduação, além de outros 2.500 que têm participado em cursos de menor extensão e densidade curricular, obtendo preparo para um melhor serviço nas igrejas e comunidades espalhadas em zonas urbanas e rurais do Brasil, de outros países da América do Sul, América Central, América do Norte, Europa, Ásia e África.

Como acontece em outras instituições, na sua história estão lutas, crises e derrotas. Mas também está a vitória que só encontramos através de nosso Senhor Jesus Cristo (1Co 15.57). É a liderança batista brasileira que se formou e se tornou influente nas várias esferas da sociedade. É a consciência missionária da responsabilidade de atingir o mundo com a mensagem de fé e amor. É a persuasão de que podemos seguir em frente, andar com nossos pés, criar nossos modelos. É a convicção de que refletimos, pensamos e agimos, tendo em mira o Senhor Jesus Cristo. Assim nos incumbe aceitar os desafios, para que, transpondo os obstáculos que se nos apresentam, cheguemos ao “prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” (Fp 3.14).

Educação teológica! Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil! Nele há muita história e inúmeros desafios, repletos de perplexidade, esperança, reflexão, serviço e fé. Pois “esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (1Jo 5.4).

Rua Padre Inglês, 243 - Boa Vista
cep.:50050-000 _ Recife - PE
(81) 3366-3277




sábado, 20 de novembro de 2010

FABAT - Faculdade Batista do Rio de Janeiro



A FACULDADE BATISTA DO RIO DE JANEIRO (FABAT) é uma instituição de ensino superior mantida pelo SEMINÁRIO TEOLÓGICO BATISTA DO SUL DO BRASIL (STBSB), que, por sua vez, integra o sistema educacional da Convenção Batista Brasileira.


HISTÓRIA CENTENÁRIA

A história do Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, instituição fundadora e mantenedora da Fabat, remonta ao final do século 19, quando o protestantismo fincou raízes definitivas no solo brasileiro.

Em 16 de agosto de 1891 chegou ao Rio de Janeiro o missionário norte-americano J.J. Taylor. Enquanto atuava como pastor interino na Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro, dirigia, também, um pequeno seminário na sua própria residência. Foi assim que vários dos primeiros pastores das Igrejas Batistas do Brasil receberam a sua formação teológica.

Em 1907, na cidade de Salvador, durante a primeira Assembléia da Convenção Batista Brasileira, decidiu-se pela criação do Colégio Batista na cidade do Rio de Janeiro, tendo como Presidente (ou diretor) o missionário Dr. John W. Shepard. Seu alvo era a criação de uma universidade batista, que incluiria a formação teológica. Por isto, na estrutura inicial do Colégio existia um Departamento Teológico, que, já no ano seguinte (1908), receberia o nome de SEMINÁRIO TEOLÓGICO BATISTA DO SUL DO BRASIL. Em 1936, o Seminário tornou-se independente do Colégio Batista, numa sede própria com área total de cerca de 66.000 m2. Seu único curso era o de teologia. Em 1963, para atender às demandas das igrejas, foi criado o curso de Música Sacra.

Atualmente, o Seminário do Sul oferece, através da Fabat, o curso de Pedagogia, recenhecido pelo MEC em 2006, e os cursos de Graduação em Teologia e Licenciatura em Música, ambos autorizados e à espera do reconhecimento pelo MEC.



Rua José Higino, 416 - Tijuca - Rio de Janeiro - RJ
Caixa Postal 24060 - Cep.: 20510-412
Fone/Fax: (21) 2570-1833



ICER - Instituto Carioca de Educação Religiosa

Assista o vídeo, e saiba um pouco da história do ICER:




Primeira Igreja Batista de Moça Bonita
Rua Tirana, 28 - Padre Miguel
Rio de Janeiro - RJ
(21) 3335-0639



sexta-feira, 12 de novembro de 2010

SEC - Seminário de Educação Cristã



História
Em 1917 uma amazonense decidiu vir a Recife para estudar a Bíblia. Foi grande a sua surpresa ao constatar que as escolas existentes, Colégio Americano Batista e STBNB, não aceitavam mulheres como alunas. Ela porém estava determinada a obedecer a voz de Deus e a não sair daqui até que tivesse recebido o preparo adequado para exercer sua atividade de professora da Bíblia junto às suas crianças no Amazonas. O casal Taylor hospedou Josefa Silva em sua casa, organizando a primeira escola feminina do Brasil para estudo da Bíblia. A princípio recebeu o nome de Escola da Bíblia, formando duas alunas, em 1918, Josefa Silva e Anísia Duclerc.

Os anos foram passando e uma simples escola, que começou com duas alunas, e em 1920 mudou de prédio e de nome para Trainnig School, já contava já com um número expressivo de alunas.

Em 1922 passou a se chamar Escola de Trabalhadoras Cristãs, e funcionava em uma área bem maior, abrigando e formando cada vez mais alunas de todo o Brasil.

Em 1958, formou-se a primeira aluna com grau de Bacharel em Educação Religiosa, Marialva Gonçalves razão porque a Escola recebeu o nome de Seminário de Educadoras Cristãs, continuando com o firme propósito de preparar mulheres vocacionadas. Em 1994 passou a chamar-se Seminário de Educação Cristã, e desde então o SEC recebe alunos nos mais diversos cursos oferecidos ampliando assim a visão de preparo também para obreiros vocacionados.

Com o passar dos anos o currículo foi sendo aperfeiçoado enriquecido cada vez mais, dando lugar às habilitações.

A ênfase no Ministério Social Cristão aconteceu com a chegada da missionária Edith Vaughn, a qual fundou a Casa da Amizade, em 1954 que atua em favor da comunidade sendo também  um local  para treinamento das alunas que se têm dedicado ao Ministério Social Cristão. A Casa da Amizade desenvolve atividades com as mães, escola para crianças, área de saúde e cultural espiritual entre outras.

O ensino da música com vistas à formação do educador sempre esteve presente no currículo do SEC. As alunas do Bacharelado em Educação Religiosa cursavam piano, canto e regência. Foram organizados o Coro do SEC e o conjunto de sinos, com a chegada dos primeiros sinos no Brasil.

O SEC tem sido uma instituição missionária desde a sua fundação. Nossos filhos e filhas são educados com a visão missionária. Temos a alegria de ter enviadoa aos campos missionários vários alunos, em convênio com as juntas missionárias da CBB, CBPE  e de outros estados brasileiros.

Em 1996, foi organizado no SEC o primeiro Centro de Missões entre os Batistas Brasileiros, o CETEMI - Centro de Estudos Transculturais e Missão que existe para promover a inspiração e a conscientização missionária e ajudar na reflexão missiológica sobre a tarefa da igreja de Cristo no mundo. O CETEMI promove vigília, palestras e treinamento para promotores de missões em parceria com a CEVAM, JMM e JMN. Também tem servido de espaço para preparo e treinamento dos missionários da JMN.

Por onde andam nossos ex-alunos? Espalhando o Reino de Deus e reafirmando o ministério educacional do SEC, nos municípios da Região Norte, Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste do Brasil e ao redor do mundo. São Ministros de Educação Cristã, Ação Social e Música das igrejas, secretárias, missionárias, professores de colégios e universidades. São dirigentes de centros sociais, de creches ou estão liderando os Centros Missionários de nosso país. São missionários da JMN, JMM e JMEstaduais. Muitos em países estrangeiros pregando o evangelho a toda a criatura, enquanto outros estão aqui segurando as cordas, promovendo missões, formando sempre nova geração de obreiros...

Tudo isso graças a ousadia da aluna Josefina Silva e do empenho de funcionários, professores e reitoras que contribuíram e continuam contribuindo para o desenvolvimento de vidas para a obra do Senhor.



Para mais informações:
Seminário de Educação Cristã
Rua Padre Inglês, 143 - Boa Vista - Recife - PE
Cep.: 50050-230 - Email: admin@sec.org.br


CIEM - Centro Integrado de Educação e Missões

História
O Centro Integrado de Educação e Missões tem uma abençoada história de 87 anos preparando servos de Deus para cumprir a missão que Deus deixou para o seu povo, de proclamar as Boas Novas de salvação em Cristo Jesus e ensinar a sua Palavra.

A sua inauguração se deu no dia 10 de março de 1922, como um Departamento do Colégio Batista Brasileiro e recebeu o nome de Escola Teológica para Obreiras com o objetivo de preparar moças para as várias atividades na igreja. O Jornal Batista de 23/03/1922, em sua edição nº 12 publica a seguinte nota: "A Escola Teológica para Obreiras Batistas fundada há dias, já está recebendo matrícula de muitas jovens. Poucos anos nos separam para vermos os resultados dessa novel instituição, pelo vasto campo brasileiro."

A 1ª turma de formandas em 1928, cujos nomes aparecem no livro do Curso Religioso do Colégio Batista Brasileiro, Escola de Obreiras, foi formada pelas alunas: Florentina Silva, Nicéia Miranda (mais tarde Nicéia Soren), Umbelina Ferreira e Waldemira Almeida (mais tarde Waldemira Mesquita). Essa formatura ocorreu no ano de 1928.

Em 1941, a Escola de Obreiras passou a ser administrada pela União Geral de Senhoras e no ano seguinte seu nome foi alterado para Instituto de Treinamento Cristão para Moças. Em abril de 1949 foi inaugurado o prédio do Instituto de Treinamento Cristão sob a direção da missionária Dorine Hawkins. Durante a sua administração, muitas alunas foram preparadas e vários melhoramentos foram efetuados, inclusive a construção do Auditório "Esther Silva Dias".

Em 1954 é inaugurada a Casa Batista da Amizade, com a finalidade de atender as carências sociais, emocionais e espirituais dos moradores do Morro do Encontro e adjacências. Através dos anos, muitas alunas serviram ao Senhor, como estagiárias na CBA, atendendo as crianças, dando aulas e evangelizando. Atualmente esta Instituição é administrada pela educadora Márcia Fernandes Kopanyshyn, formada pelo IBER.

Em 7 de dezembro de 1965, o nome do Instituto de Treinamento Cristão foi mudado para Instituto Batista de Educação Religiosa. Com a saída de Dorine Hawkins em 1976, a missionária Alma Elizabeth Oates assumiu a direção continuando o trabalho de Dorine. Durante a sua gestão foi inaugurado, em 1982, o prédio que recebeu o nome de Dorine Hawkins Stewart. Nesse prédio funcionam as salas de aula, a biblioteca e a administração.

Após 18 anos como diretora do IBER, Elizabeth Oates passou o cargo para uma brasileira e no dia 5 de março de 1995, a missionária Diana Maria Bonfim Minho, que trabalhava há 24 anos com a Junta de Missões Nacionais, assumiu a direção do IBER. Em julho de 1996 teve início o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Educação Religiosa.

Em 5 de agosto de 2002, a União Feminina Missionária Batista do Brasil decidiu, em assembléia nacional, que a Instituição ampliaria seu campo de preparo para formar missionários nacionais e internacionais, além de educadores religiosos. Mais uma vez, o nome da Instituição precisou ser adequado à sua função e passou a chamar-se CENTRO INTEGRADO DE EDUCAÇÃO E MISSÕES – CIEM. Foi convidada para assumir a direção da Instituição a missionária Maria Bernadete da Silva, com experiência na área de ensino e também no campo missionário. Parcerias com as Juntas de Missionárias da Convenção Batista Brasileira foram estabelecidas, adaptações foram feitas para acomodar também famílias e rapazes vocacionados. Neste ano, foram acrescidos cursos de missões em níveis de graduação e pós-graduação.

Ensino

Mais informações:
Centro Integrado de Educação e Missões
Rua Uruguai, 514 - Tijuca - Rio de Janeiro, RJ 
Tel.: (21) 2570-6793 - E-mail: ciem@ciem.org.br



Escolha Impactar - Centro de Formação Ministerial (CFM)



O Centro de Formação Ministerial - CFM - acredita que estimular e desenvolver o caráter é o princípio de uma vida espiritual com motivações positivas. Para o exercício ministerial você precisa de experiências que envolvam o dia a dia do próprio ministério, através da imersão oferecida pelos pastores e ministros no CFM. Experiências que tornem  cada vez mais próxima a vontade de Deus da sua disposição em desempenhar um ministério, para que cada vez mais Ele seja engrandecido através da eficácia do seu dom ministerial. Escolher ser capacitado para exercer o dom que há em suas mãos envolve renúncia e uma alegria contagiante. Uma alegria que não é só sua, é dEle também. O CFM oferece um ambiente de capacitação para impactar a sua realidade. Escolha ser capacitado, escolha impactar.

O núcleo de liderança é destinado à preparação de pessoas para assumirem posições de liderança nas igrejas, levando em conta fatores ligados à dinâmica eclesiástica e também ao cuidado pastoral. O núcleo exigirá do estudante a elaboração de um projeto ministerial prático para sua igreja local.

O núcleo de formação do líder de adoração e louvor é destinado a pessoas que atuam e gostariam de atuar em lideranças de ministérios de louvor e adoração, alinhando aspectos técnicos e bíblicos. O estudante também passará por um programa de estágio e treinamento específicos em sua formação.

O núcleo de formação em missões é destinado a pessoas que sentiram o chamado de Deus para ampliar o alcance o Evangelho de Jesus Cristo e precisam de treinamento específico para isso. Além disso, o estudante do núcleo de missões terá um programa de estágio missionário supervisionado por pessoas experientes no campo missionário.

Perfil do aluno:
  • Idade mínima de 16 anos
  • Ser membro há, pelo menos, dois anos da Primeira Igreja Batista de Curitiba.
  • Ser membro da PIB de Curitiba e ter concluído a linha básica de ensino.
  • Ser membro de outra igreja evangélica e apresentar junto com sua documentação uma carta de recomendação do pastor responsável de sua igreja local.
Documentos necessários:
  • Pagamento da inscrição
  • Cópia da identidade
  • Cópia do CPF
  • Cópia da certidão de casamento
  • Cópia do comprovante de residência
  • Formulário do candidato preenchido
  • 2 fotos 3x4
  • Carta de recomendação da sua igreja
Investimento:
  • Taxa de inscrição _ R$ 80,00
  • Mensalidade _ R$ 120,00
O pagamento da taxa de inscrição deve ser realizado exclusivamente na secretaria do curso. Essa taxa poderá ser paga por meio de dinheiro, boleto bancário ou cartão de crédito/débito visa.

Bolsas de estudo
Concedemos bolsas de estudo mediante a disponibilidade do aluno de trabalhar como Obreiro da PIB. O obreiro é um aluno do CFM, que sente o chamado de Deus para servir em algum ministério da igreja e tem sua mensalidade subsidiada parcial ou integralmente pela PIB, de acordo com as horas de ministério estipulados.



 



quinta-feira, 11 de novembro de 2010

DESPERTA DÉBORA - mães de joelhos, filhos de pé


Quem são as Déboras?
São mães intercessoras, biológicas, adotivas ou espirituais, de qualquer denominação, comprometidas a orar diariamente por seus filhos e pela juventude, por no mínimo 15 minutos diários.

Hoje já são mais de 70.000 mães cadastradas em todo o território brasileiro e até no exterior. A Liderança do Desperta Débora é composta por mais de 1.500 coordenadoras locais de Cidades, de Estados, Regionais e Nacional.

Sim, eu quero ser um pai ou mãe de oração! clique aqui.

Saiba onde encontrar este projeto: clique aqui.

Saiba como ajudar: clique aqui.


Para mais informações
Escritório Nacional do Desperta Débora
Av: João Maurício, 711, Manaíra
João Pessoa - Paraíba CEP 58038-000
Fone: (83) 3247 8499 e (83) 9966 7662 (TIM)
 E-mail:
ecritorio.ne@gmail.com


Movimento Desperta Débora
Maria Luiza Targino (Nina)
Coordenadora Nacional
(83) 3247-8499 | 8843-6231
escritorio.ne@gmail.com

Coordenadora da região Norte
Simone Laurent
(92) 3239-0960
sgfigueiredo@yahoo.com.br

Coordenadora da região Sudeste
Maria José (Zezé)
(21) 2668-8898 | 8606-5673
zezedir@yahoo.com.br
Coordenadora da região Centro-oeste
Adriana Guimarães Rosa
(62) 3231-8566
guimaraesrosa@gmail.com

Coordenadora São Paulo e Região Sul
Dora Bomilcar Andrade
(11) 5054-3032
dorabomilcar@gmail.com

Mocidade para Cristo
Marcelo Gualberto da Silva
Diretor Nacional
(31) 3492-1001
www.mpc.org.br
mpc@mpc.org.br
Coordenadora Região Nordeste
- Indiara Tavares (AL, SE, BA)
(71) 9993-6254 | 3369-4169
indiaratavares@yahoo.com.br
- Margarida Alves (MA, PI, CE)
(85) 3494-1898 | 8802-8380 | 9993-7373
tiameg2005@hotmail.com
- Mª José Pantaleão (RN, PB, PE)
(81) 8801-4555 | 3221-1583
despertadeboraspe@gmail.com

domingo, 7 de novembro de 2010

Assistência ou Ação Social? (por Pr. Samuel Esperandio)


De um ponto de vista técnico, a Assistência Social é uma das três áreas em que se divide o trabalho filantrópico no Brasil, somando-se à Saúde e à Educação. Assistência Social denuncia uma espécie de paternalismo, pressuposto pelo sentido da palavra “assistência”, que significa basicamente ações realizadas em benefícios de outros, exaltando o aspecto passivo de quem é o beneficiário de determinada ação.

Prefiro Ação Social, ou seja, o conjunto de procedimentos resultantes de um esforço que pressupõe a visão de agir em benefício da comunidade e das pessoas necessitadas, mas que exalta aspectos ativos e reativos dos beneficiários do bem que se pretende realizar.

Em palavras simples, podemos lembrar o dito popular que diz: “Não dê o peixe, ensine a pescar”. Quer uma coisa mais desestimulante do que fazer uma ação benéfica para alguém que sequer se digna a agradecer? Às vezes pessoas beneficiadas com qualquer ação demonstram que isso não passa de uma obrigação nossa em fazê-lo. Alguns agem como se o mundo estivesse em dívida com elas! É como se dissessem: “Todo mundo pensa em si, só eu penso em mim...”.

Uma das maiores críticas ao sistema implantado no governo FHC e ampliado no governo Lula, chamado Bolsa Família, embora seja mundialmente reconhecido como um programa modelo de distribuição de renda, é que carece justamente de mecanismos que ajudem a melhorar a distribuição de renda sem causar dependência e desestímulo à busca de iniciativa própria para o autossustento. Existem muitos que preferem ficar prostrados sem nenhuma iniciativa para receberem o benefício.

Aliás, autossustento é um tema de grande importância na política das nossas instituições sociais, com um esforço consciente de busca de sustento de origem nacional, para que as instituições sejam suportadas por programas nacionais, aliviando a pressão do sustento externo das instituições, ao mesmo tempo aliviando nossos parceiros para investirem em novos programas que visem a missão social, ou seja, a evangelização com responsabilidade social. Um grande exemplo é o PEPE (Programa de Educação Pré-Escolar).

Alguns exemplos da nossa ação social estão vinculados aos Núcleos Sociais ou Centros de Atendimento direcionados ao desenvolvimento de programas de geração de renda e de profissionalização.

É muito interessante, por exemplo, o trabalho da padaria no Núcleo Social de Diadema: “Não basta dar pão, é necessário ensinar a fazer pão”. Isso poderá ajudar as pessoas (crianças, adolescentes, mães, etc...) a encontrarem o caminho do autossustento através da profissionalização. Depois de profissionalizada e autossustentada, uma pessoa não só deixará de ser dependente da caridade alheia, governamental ou de ONGs. Poderá vir a ser, inclusive, apoiadora de iniciativas semelhantes.

Lembro-me de um antigo programa de TV que passava aos sábados, cinco minutos antes do Jornal Nacional, chamado “Gente que faz”. Naquele programa demonstravamse muitas iniciativas de pessoas que saíram de uma situação de dependência e encontraram autossustentabilidade, ou de comunidades que foram apoiadas por pessoas com essa visão de ajudar outros a pescarem o peixe, a ponto de obterem destaque social e grande importância na vida comunitária.

Programas como trabalho voluntário, escolas de treinamento, aulas gratuitas ou a preços módicos, seja de artesanato, música, línguas, informática, padaria, culinária, etc... (ou seja, o multiministério com visão de Ação Social), poderão nos ajudar a cumprir o ensino de Jesus que disse para vestir o nu, saciar o sedento, suprir o faminto, visitar os presos, e fazer isso com tal dedicação como se o fizéssemos a Ele mesmo.

Jesus disse: “Ide e fazei discípulos de todas as nações”, e disse também: “Sempre que o fizestes a um destes pequeninos, a mim o fizestes...” (Mt 25.34-40).

Portanto, não leia apenas este editorial e este número do Batista Pioneiro, dedique-se a ajudar para que necessidades sejam supridas e o nome de Jesus seja conhecido e exaltado pelas nossas ações, que Ele preparou “desde a fundação do mundo para que andássemos nelas” (Ef 2.10b).


Pastor Samuel Esperandio
Diretor Executivo






sábado, 6 de novembro de 2010

O Deserto Espiritual do Velho Continente

por Cleide Neto


Alegria. Este é o sentimento dos oito integrantes da viagem missionária que foi realizada na Itália e na Espanha. Para o Pr. Marcílio, coordenador do grupo, "ver a conversão de pessoas e a alegria dos missionários visitados foi gratificante e muito abençoador".

Ensinar é um mandamento: "Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que lhes ordenei" (Mateus 28:18-19). Este grupo durante 26 dias (10/09 a 06/10/2010) visitou as cidades de Brescia, Mantova, Cesena, Treviso (Itália) e Zaragoza, Barcelona e Sevilha (Espanha). Em cada uma das 18 igrejas visitadas ministraram cursos sobre os ministérios: infantil, jovens, células, intercessão, fotografia, comunicação, vídeo, doutrores da vida, contador de histórias; ao todo 45 cursos, além das pregações feitas pelo pastor e membros do grupo.

A maioria dos países do Velho Continente, como esses dois visitados pela equipe, são depositários de muita riqueza cultural e social. Porém, o povo é frio, senhor de si mesmo, fechado para o evangelho e vazios de fé em Jesus Cristo. A viagem oportunizou a equipe a ensinar às 18 pequenas igrejas o que apredem na PIB de Curitiba. Realidade bem diferente da nossa: em média 40 a 50 membros e frequência entre 15 a 20 pessoas.

As igrejas visitadas têm uma situação financeira muito difícil; normalmente são dirigidas por brasileiros, missionários da Junta de Missões Mundiais (JMM) da Convenção Batista Brasileira (CBB). Lutam pela sobrevivência, principalmente em relação aos valores cristãos. Lamentavelmente, hoje, a Convenção Batista Italiana (CBI) concorda e aceita o casamento de pessoas do mesmo sexo e há pastores que são casados assim.

Pr. Marcílio explica que as igrejas dirigidas pelos brasileiros são filiadas à CBI para fazer diferença, ajudando-as a se reerguerem, incentivando-as a buscar experiências reais com Deus e a resgatar a vivência dos princípios bíblicos.

Portanto, "nós precisamos agradecer a Deus pelos imigrantes brasileiros, porque através deles o evangelho retornou para as nossas igrejas", esse é o sentimento do povo catalão.

"Foram dias de trabalho! Foram dias de desafio! Foram dias abençoados que nos marcaram profundadamente! Em cada cidade por onde passamos, em todas as oficinas ministradas e em cada novo relacionamento que fazíamos, nosso coração se alegrava e em gratidão dizíamos: Obrigado, Pai! Nossa oração é para que as pequenas sementes lançadas possam germinar e que naqueles países tão carentes do verdadeiro amor, elas cresçam apontando para o nosso Deus de amor", diz Vanessa Poletti que participou da viagem.

"Durante a viagem, tivemos oportunidade de visitar os missionários: Fernando Pasi (Milão), Luiz Moreira (Brescia), Fabiano e Anne (Cesena), João Caio Gutteres Bottega (Treviso), Fabio (Mantova); José Maria (Ig. Betel em Zaragoza), Miss. Beth e Eveny (Barcelona), Elton e Mirian Rangel (Sevilha). Em todos eles foi marcante perceber a alegria em nos receber e em poder sentir-se apoiados. Precisamos orar mais e irmos mais a campo, realizar outras viagens e fazermos a diferença no deserto espiritual do velho continente", conclui o Pr. Marcílio.

Fonte: Revista PIB de 31 de outubro de 2010 - Edição 44 - pág.5

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Igrejas viram cafés, livrarias, pistas de dança e casa de shows na Holanda

02 de novembro de 2010
 
Tida por especialistas em História do cristianismo como o “berço dos batistas”, a Holanda está seguindo uma tendência na Europa “pós-cristã”: transformar templos de igrejas, tanto Reformadas quanto Católicas, em cafés, livrarias, pistas de dança e casa de shows. Tamanha transformação é fruto de uma outra constatação: de acordo com pesquisa recente realizada naquele país, 44% da população se declararam ateus, 28% católicos, 19% protestantes, 5% muçulmanos e os outros 4% de outras religiões.

Mesmo com a maior parte da população ainda se declarando religiosa, o fato é que as igrejas do país estão cada vez mais vazias, fruto do esfriamento da fé e das relações com Deus que invade a Europa. Com o esvaziamento, não raro os imponentes templos, outrora cheios e com pregações pujantes, acabarem ganhando outro fim: viram café, livraria, salão de cabeleireiro, pista de dança, restaurante, casa de shows...

De acordo com o jornal The Guardian, da Inglaterra, alguns exemplos dessa mutação são o Café Olivier, em Utrecht, a livraria Selexyz, em Maastricht (apontada pelo mesmo jornal como a livraria mais bonita do mundo), a pista de dança do Hotel Arena, em Amsterdã, e a mais famosa casa de shows da capital holandesa, o Paradiso, uma igreja do século 19, próxima à Leidseplein, no coração da capital do país.




terça-feira, 2 de novembro de 2010

MISSÕES, razão de ser igreja!!!

22 de Outubro de 2010
Escrito por Pr. Paulo Coutinho
Colunas - Missões

Estamos em pleno avanço missionário, não podemos perder o foco!

Missões é a palavra de ordem... “Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações,...” a igreja não pode recuar... Pregue a palavra, esteja preparado a tempo e fora de tempo,...

O Paraná, um estado privilegiado, com muitas riquezas naturais, cidades bem planejadas, abrigando um povo de muitas culturas, mas ainda um grande campo missionário, que necessita de ações práticas objetivando quebrar as barreiras impostas pelo diabo, culminando na transformação de vidas.

Os batistas paranaenses estão presentes em 168 cidades, desenvolvendo diversos projetos seja, plantação de igrejas, projetos sociais ou através das agências do Reino de Deus levando a Palavra transformadora do evangelho.

Todo trabalho que fizemos até hoje e seus resultados, nos dão uma visão ainda maior para o futuro em que, envolvendo as igrejas e suas lideranças, podemos ampliar nossas ações às demais cidades que compõem o nosso Estado, que ainda não tem um trabalho batista.

Há um princípio na mate-mática divina que neces-sitamos exercitá-la, quando investimos no Reino de Deus, Ele investe em nós. Não podemos avançar sozinhos, temos uma aliança através da MISSÃO que recebemos do Senhor Jesus... “Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra.”

Missões não pode se fechar em torno de uma campanha, seja Estadual, Nacional ou Mundial, mas deve ser para nós crentes em Jesus um estilo de vida, a qual gera frutos permanentes em todas as esferas geográficas.

A começar pela nossa “Jerusalém” ou a cidade em que vivemos; alcançando a nossa “Judeia” ou nosso Estado; ampliando para “Samaria” nosso lindo país; e chegando “até aos confins da terra”, se aplicando às nações que formam o mundo de então.

Como aplicar a missão nossa de cada dia, testemunhando e fazendo discípulos em toda a terra?

Através da oração, o com-bustível da igreja, e do investimento financeiro, que não pode faltar nas diversas frentes de batalha.

Fomos chamados a participar de um grande exército para o nosso PARANÁ, que alimenta uma carência espiritual enorme, chegando com o evangelho a todas as cidades.

Mobilize sua igreja para fazer uma viagem missionária a alguma cidade sem o trabalho batista; junte-se a outra, se for o caso até mais de uma igreja e invista em uma frente missionária.

Individualmente você pode fortalecer o exército de mantenedores, àqueles que, através do PAM (Plano de Adoção Missionária), sustentam os nossos Projetos Missionários:
CAM (Centro de Apoio aos Marinheiros),
Projeto Vida,
Caminhoneiros de Cristo,
Ministério Atalaia,
Ministério Amigo dos Ciganos,
Dispensário Bom Samaritano (Centro Ambulatorial em Tagaçaba);
frentes missionárias e os nossos missionários(as) nas diversas cidades do Paraná.

Como?

Através de sua conta de luz (Copel), você pode autorizar o débito, a partir de R$ 5,00 (cinco reais) que será repassado para o departamento de Missões da CBP e integralmente investido no campo missionário e projetos missionários.

Existem outras formas de contribuição: débito em C/C (Bco do Brasil e Bradesco) e boleto bancário.

Vamos avançar batistas paranaenses!!!!!

Em Jesus somos vencedores!!!!!

Você faz parte dessa história!!!!

JUNTOS FAZEMOS MUITO MAIS!!!!



Para mais informações entre em contato com a CBP
(Convenção Batista Paranaense):
Rua XV de Novembro, 3270 - Alto da XV
Cep.: 80050-000 - Curitiba - PR
Tel.: (41) 3362-7878


segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Os dez mandamentos da juventude

Por Ulises Oyarzún

1. Se você é jovem, ame mais as pessoas que as coisas.
2. Se você é jovem, cultive seu caráter mais que sua aparência, pois a segunda é passageira, visto que a primeira marcará sua eternidade.
3. Se você é jovem, aprenda a perdoar, para que tenhas a segurança de que Deus fará o mesmo por você.
4. Se você é jovem, não brinque com o sexo na intenção de encontrar amor. Não transforme esse presente de Deus em simples genitalismo.
5. Se você é jovem, morra por seus ideais, não renuncie a seus princípios, mantenha uma disciplina e ela te sustentará num dia mal.
6. Se você é jovem, não corras para chegar primeiro, mas para ir mais longe.
7. Se você é jovem, viva com o coração no céu e seus pés na terra, sobretudo no meio daqueles que sofrem.
8. Se você é jovem, que seu projeto de vida esteja centrado em ajudar os outros, mais do que ajudar a si mesmo.
9. Se você é jovem e fica irritado, que seja para defender aqueles que não conseguem se defender.
10. Se você é jovem, viva sabendo para que vive. Que a morte não te surpreenda vivendo uma vida sem vida.

Ulises Oyarzún é pastor de juventude da PIB de Concepción, Chile e blogueiro http://ulisesoyarzun.blogspot.com/

Fonte: site  JUVENTUDE BATISTA