sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Não dê um tiro no pé (por Pr Antônio M. Gonçales)


“Sou apaixonado
por missões porque
Deus também o é”

O amor, interesse e vibração por missões que um pastor tem em seu coração será o mesmo de suas ovelhas.
É o pastor que ensina a ovelha a berrar afinado, a comer uma boa grama e trilhar por caminhos seguros.

Ao longo do meu ministério sempre entendi que as ovelhas são boas e, quando bem orientadas e alimentadas, não titubeiam em seguir o seu pastor e seus desafios. Se uma igreja não é missionária é porque seu pastor não tem interesse por missões e, consequentemente, suas ovelhas também não terão.

Mas há alguns aspectos relevantes para levar uma igreja a ser efetivamente missionária.
Aliás, dizer que uma igreja é missionária é redundância.
A igreja é uma instituição Divina, com objetivos bem definidos por Deus, ou seja, se é igreja tem que ser missionária, se não for estará descaracterizada como tal.
A questão é: o quanto ela está sendo missionária?

O grau de envolvimento missionário de uma igreja está ligado à sua gestão. Nem deveríamos fazer tal citação porque a igreja tem sua gestão própria definida na Palavra.
Mas em nossos dias parece-me que a igreja está se distanciando em muito da simplicidade e seriedade da igreja-modelo, chamada primitiva.

Creio que um entendimento claro de que igreja é gente e não prédio nos ajudará a entender o pouco interesse de muitas igrejas por missões.
É comum ouvirmos que estamos no santuário ou templo de Deus. Gente, o véu já foi rasgado e não vamos costurá-lo novamente. Santuário e templo de Deus somos nós! “Não sabeis que sois santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?” (1Co 3.16).

Quando uma igreja tem uma visão distorcida sobre o local onde habita Deus, ela passa a dar mais valor ao tijolo do que a pessoas, motivando grandes investimentos em templos suntuosos, por acreditar que Deus vai morar ali. Deus só tem um endereço na terra, VOCÊ, parte do corpo vivo de Cristo.
Em 1993 nossa igreja partiu para a construção rústica e barata de um galpão pré-moldado. Nesse galpão, durante toda a semana, funciona a escola de esportes em que temos um pastor de tempo integral trabalhando com crianças, adolescentes e jovens da comunidade. Também disponibilizamos o local para as escolas municipais e estaduais, cujos pais não têm a mínima
condição financeira de alugar um local para a formatura de seus filhos, um auditório de mil pessoas que ouvem o plano da salvação.
Ali também funciona o restaurante dominical missionário, com mais de duzentos lugares, cujo lucro é direcionado integralmente para missões.
Ah! Usamos o mesmo local para os nossos tradicionais cultos também.
Resumindo: num só local temos os cultos e o restaurante aos domingos, salão para eventos de formaturas e ginásio desportivo. Com um só prédio atingimos quatro objetivos. Com isso dá para aplicar mais em missões.

Outro fator que leva uma igreja a se envolver mais em missões é a visão de colegiado. Temos pastores para crianças, adolescentes, jovens, casais, visitação, implantação de igrejas, administração, missões e exposição bíblica, formando uma equipe de onze pastores. Nenhuma faixa etária fica sem ser pastoreada, cuidada e ensinada a amar missões.

Procuramos desenvolver o interesse cada vez maior do nosso povo por missões, tendo como orientação central a exposição bíblica. Pregamos sequencialmente em livros da Bíblia e não há como evitar textos que não gostaríamos de pregar e nem textos que a igreja também não gostaria de ouvir.

Isso traz maturidade ao povo de Deus, que é ensinado a centrar sua vida e suas ações missionárias na Palavra. As viagens missionárias acontecem em número muito grande durante o ano. O povo, além das ofertas dos dias especiais, participa dos PAMs, e muitos ainda dão o dízimo dos dízimos para missões.

Sou apaixonado por missões porque Deus também o é. Não posso me eximir da responsabilidade de fazer da “minha” igreja uma apaixonada pela obra de transformar vidas em todo o mundo com o poder do evangelho.

Lembre-se, todo pastor é um missionário, sustentado por Deus por intermédio do seu povo, e não amar e investir em uma consciência missionária em seu rebanho é dar um tiro no pé!

“Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego” (Rm 1.16).

Pr. Antônio Mendes Gonçales
PIB de Atibaia/SP


Fonte: revista PÁTRIA PARA CRISTO - Ano LXII nº 248

Nenhum comentário: