quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

A Fotógrafa Missionária (missões em verso e imagem)

Por: Sandra Regina Bellonce do Carmo


Roberta Elisabeth Hampton nasceu num lar cristão no Estado de Oklahoma, EUA. Aos sete anos, converteu-se e foi batizada na Primeira Igreja Batista de Piedmond.
Na adolescência passou a freqüentar a Primeira Igreja Batista de Lamar, no Missouri, e por influência de uma professora da EBD que sempre ensinava que Deus tem um plano para cada vida, sentiu a chamada para a obra missionária.
Sem esquecer o chamado que recebeu de Deus aos 14 anos, Roberta cresceu e foi para a Universidade Batista de Oklahoma, onde se formou, em 1951, bacharel em Ciências e em Jornalismo. No Seminário Southwestern, em Fort Worth (Texas), tornou-se Mestre em Educação Religiosa, em 1954, e foi nomeada, pela Junta de Richmond, missionária no México. Passou um ano na Costa Rica estudando o castelhano e viveu dois anos no México.

Após este tempo, Roberta retornou à sede da Junta de Richmond, onde atuou como redatora de Educação Missionária. Em 1965, a ênfase de Missões Mundiais na Junta foi o Brasil, e Roberta para realizar seu trabalho de jornalista teve que pesquisar muito sobre o assunto. Todas aquelas informações sobre um país latino-americano tão carente do Evangelho, tocaram o seu coração e sentiu Deus falar-lhe para ser missionária no Brasil. Aqui chegou em 1965 para trabalhar na cidade de Recife, PE, como assessora de Relações Públicas da Missão do Norte. Roberta foi a primeira jornalista-fotógrafa nomeada para o Brasil pela Junta de Richmond.

Quando pastor Samuel Mitt tornou-se secretário da Junta de Missões Nacionais, convidou Roberta a trabalhar na JMN. Assim, de 1972 a 1988, Roberta dedicou-se de corpo e alma à Junta de Missões Nacionais. Nestes 16 anos percorreu todo o Brasil usando os mais diversos tipos de transporte pelo ar, terra ou água (avião, carro, jipe, motocicleta, pau-de-arara, navio, barco, canoa). Sempre com sua câmera na mão, fotografava com sensibilidade e beleza o povo brasileiro. Demonstrando grande experiência e profissionalismo, suas fotos são até hoje apreciadas e documentam com maestria parte da história e da atuação de Missões Nacionais.

Suas fotos falam dos campos missionários e seus obreiros, nas cidades ou nas aldeias, no litoral ou nos sertões; sua convivência com Marcolina Magalhães, Beatriz Silva, Margarida Gonçalves, pastor Guenther Carlos e Wanda Krieger e outras dezenas de missionários.

Fotografou também os projetos pioneiros como a primeira Transtotal (Operação Missionária na Transamazônica) e as outras operações que a sucederam. Roberta e sua máquina fotográfica conheceram os cantos e recantos de nossa pátria, participando da obra de evangelização.Até 1982 foi redatora de A Pátria Para Cristo fazendo de cada número da revista uma obra de arte, com amor, perseguindo a perfeição.

A partir de 1988, passou a atuar na sede da União Feminina Missionária do Brasil e, sem perder seu vínculo com a obra missionária em nossa pátria, manteve uma página sobre missões na revista Mensageira do Rei, até 1993, quando deixou definitivamente o Brasil, voltando aos Estados Unidos onde vive até hoje. Foram 28 anos de profundas experiências missionárias, que marcaram a vida de Roberta e de todos que foram eternizados pelas suas lentes.
.
***

2 comentários:

Vera Lúcia disse...

Trabalhei com Roberta em Missoes Nacionais há 25 anos atrás queria tanto ter notícias dela...Vera

Elaine disse...

Vera, entre em contato com a JMN.

att,

Elaine